terça-feira, 7 de abril de 2009

ED MORT

Já nem vou arranjar desculpas por estar de papo para o ar há tanto tempo.

Desta feita, trago aqui mais um dos meus melhores momentos de leitura. Cada vez que quero descontrair, mas sem abdicar de boa escrita, leio este marmanjão batido. Filho de um dos maiores expoentes da escrita Brasileira (para mim é!), Luís Fernando Veríssimo. Nascido na capital do Rio Grande do Sul – Porto Alegre – este prolífico e versátil escritor, que conta já com 72 anos (quase 73) é forte conhecedor da cultura Norte-Americana, fruto de lá ter vivido a grande parte da sua juventude. Contudo, é o Brasil a sua maior fonte de inspiração. Jornalista, publicitário, músico, cartunista, tradutor, guionista, autor de teatro e mais alguma coisa, com certeza. É filho do também escritor Érico Veríssimo (“Olhai os Lírios do Campo”, entre muitas outras obras de renome). Luís Fernando é muito conhecido pelas suas crónicas e textos humorísticos (mas muito sérios) na impressa Brasileira. Como cereja no cimo do bolo, o homem já trabalhou para a Playboy, ainda por cima a escrever sobre futebol!

Depois de muito trabalho, em 1979, publicou seu quinto livro de crónicas, "Ed Mort e Outras Histórias", o primeiro pela Editora L&PM, com a qual trabalharia durante 20 anos. O título do livro refere-se àquele que viria a ser um dos mais populares personagens de Luís Fernando Veríssimo. Uma sátira dos policiais noir, imortalizados pela literatura de Raymond Chandler (Philip Marlowe), Mickey Spillane (Mike Hammer) e Dashiell Hammett (“O Falcão de Malta”, com adaptação cinematográfica, protagonizado por Humphrey Bogart).

Outro trabalho do Luís Fernando que merece aqui destaque é o fantástico “Analista de Bagé”. Um gaúcho mucho macho, analista psicólogo da pesada, que faz da psicanálise uma ciência muito própria com a sua "técnica do joelhaço". Do mais divertido que eu já li. Publicado pela L&PM, com edição em BD (desenhado por Edgar Vasques) também disponível.

Ed Mort é desenhado pelo também grande Miguel Paiva (foto à esquerda), homem de muitos talentos, há semelhança do Luís Fernando. Mais novo, com 59 anos, é principalmente jornalista. Muito conhecido pelas séries “Radical Chic” (TV e álbum de BD pela chancela da L&PM – foto à direita) e “Gatão de Meia-idade” (foto à esquerda, em baixo), entre outras obras. Notório, entre nós, como autor e guionista de uma telenovela: “Malhação".

Ed Mort é um detective particular carioca (Rio de Janeiro), de língua afiada, coração mole e sem um tostão no bolso, que passou a protagonizar uma comic strip, publicada em centenas de jornais diários, gerou uma série de cinco álbuns de BD (1985-1990) e ainda um filme com Paulo Betti (foto à direita) no papel do grande Ed, que foi A escolha certa no casting.

Ed Mort tem um escri, pois já não tinha dinheiro para o tório, partilha-o com 117 baratas e com um rato, o Voltaire, porque vai e depois volta sempre. A preto e branco, para um efeito mais noir, este figurão é um romântico inveterado. A fortuna dele resume-se a uma carteira que ele compara aos pasteis que come no botéco do lado: cheia de vento. Envolve-se nos casos mais estranhos e, com a sua estranha lógica, sorte e azar do caraças, lá consegue resolve-los, com brilho até.
Tenho pena de não ter um scaner (eu sei que é imperdoável, pois custam tuta-e-meia ), por isso não posso partilhar mais imagens do que aquelas que aqui estão; não é fácil encontrar imagens do velho Ed na net. De qualquer maneira, ficam aqui algumas capas dos cinco álbuns editados pela L&PM: “Procurando o Silva” (em edição álbum e de bolso), “Disney World Blues”, “Com a Mão no Milhão”, “Conexão Nazista” e “O Rapto do Zagueiro Central. Absolutamente fantásticos.

8 comentários:

verbal disse...

Só a limpar as teias de aranha aqui do sitio imagino o tempo que te levou ! … lol

Confesso que pouco conheço da BD brasileira, com excepção da turma do Maurício, mas tenho reparado pelos artigos que aqui publicas, que te revelas como grande apreciador da arte dos nossos “irmãos”. Muito bom dares a conhecer outros “mundos”!

OCP disse...

hmmm... Este tipo, o Luís Fernando Verissímo não é mesmo do Analista de Bagé?

Confesso que conheço pouco da Bd brasileira além do Laerte, Mauricio e poucos mais, além daqueles que trabalham para as editoras americanas...

Mas fiquei curioso com este Ed Mort , só o nome me faz rir. Tenho que ver se consigo descobrir mais.

Abraço. :)

Bongop disse...

OK... confesso... não conheço!
:D
Tenho certa relutância a ler obras em português do Brasil, e tenho uma razão: desatino com o sotaque escrito... mas presumo que seja por causa das traduções Marvel e DC. A Turma da Mónica já gosto, o sotaque não é forçado! Ed Mort presumo que esteja neste segundo caso.

refemdabd disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
refemdabd disse...

Limpezas de Primavera (muito Americano) lol.

Gosto muito do que é feito no Brasil. Tem lá gente, muita gente, com imenso talento. Depois há estes gigantes, sem ordem especial: Mauricio de Sousa, Luís Fernando Veríssimo, Miguel Paiva, Edgar vasques, Laerte, Glauco, Fernando Gonsales, Angeli, Ziraldo, Henfil, Mozart Couto, Nilson, Jô Oliveira, Watson Portela, Luís Gê, Lourenço Mutarelli e velhinhos como Armond e Renato Silva, ou mesmo Ângelo Agostini, J. Carlos e Luíz Sá.

OCP, confessa, não leste o post todo, pois não?

Aqui tudo é ginga Brasileira, daí, o sotaque é essencial. Ler a turma da Mónica em Português de Portugal não tem jeito, assim como este Ed Mort perderia sua piada. O bicho é Carioca, cara! hehehe!

Estúdio Rafelipe disse...

Rapaz! Você incluiu meu blog no seu blogroll! Só isso já me deixou feliz, cara! Em um blog de Portugal, imagine!
Ah, sobre Ed Mort... eu já li, também. O primeiro, o terceiro e o quinto álbuns. Surpreendente!
Quer fazer algum contato? o e-mail é: rafaelgrasel@yahoo.com.br.

Diabba disse...

Gaijo,

Confesso que até ia dizer bem deste post, mas dp de ler o comentário do diabbo-marido, só tenho que te dizer que se te vir te tridento todo!

Deixaste o gajo curioso, ora marido curioso = marido compradeiro! grunfff

Um dia destes faço um leilão de BD!! grrrrr

grunfff

(saindo enxofrada)

Nota: sim, conheço algumas crónicas de Luís Fernando Veríssimo, o homem é brilhante. E onde é que encontro o Ed Mort? Assim posso ofertar ao marido. Manda-me mail com todos os títulos que haja em Portugal.

refemdabd disse...

Rafael, que é isso rapaz! É o maior prazer ter você por aqui. gosto de ir no teu blog para estar por dentro. :-)
O teu email está guardado. Envia mails para o meu: refemdabd@gmail.com

Diabba, não tenho repetidos, o que é uma pena. Para comprá-los por cá só num alfarrabista.
Os cinco títulos existentes estão expressos cronologicamente no fim do post.
O MercadoLivre.br costuma ter, mas é uma grande cena para fazer pagamentos aos vendedores; nem todos vendem para o estrangeiro e só dá para pagar por western union, o que é caro e pouco seguro. Pessoalmente, nunca tive problemas com vendedores Brasileiros (e já comprei algumas coisas), foram todos 20 estrelas, verdadeiramente profissionais (mesmo quando são amadores).